sexta-feira, 18 de agosto de 2017

O Estilo da Personagem Cibele da Novela A Força do Querer

A patricinha Cibele da novela " A Força do Querer " ( novela das 9hs da rede Globo ) tem dado o que falar nas redes sociais. A ex-noiva de Ruy, conhecida por ser possessiva e vingativa , tem se destacado por seu visual contemporâneo e elegante. Vamos conhecer um pouco do estilo da personagem?



A personagem Cibele ( interpretada pela atriz Bruna Linzmeyer ) é uma jovem nascida numa família rica . A patricinha divide opiniões, pois ela é considerada chata e vingativa por alguns, e provocativa e justiceira por outros ...
No início da novela " A Força do Querer ", ela era noiva de Ruy ( personagem interpretado por Fiuk ) e estava prestes a se casar, mas foi traída e em seguida trocada por outra, no caso, a personagem Ritinha ( interpretada por Ísis Valverde ), a " mocinha da novela ". Desde então, a moça só pensa em se vingar do ex-noivo e de Ritinha - e já causou muita confusão para conseguir seu objetivo.
Mas o que vem chamando atenção mesmo na personagem é o estilo dela. Tudo o que Cibele usa e veste é assunto nas rodinhas de moda e para quem é ligado em tendências.



O casal do início da novela
Momento descontração x momento formal
As facetas do visual de Cibele

A moça curte montar looks em cores neutras

A moça adora a dupla preto e branco

Vocês preferem ela com  o cabelo liso ou mais frisadinho?
Acessórios são itens essenciais em seus looks

De um visual mais agressivo para um visual mais lady

A personalidade de Cibele transparece em seus looks : uma mulher contemporânea, moderna e cheia de estilo - que desfila looks bem urbanos e criativos. Seu visual tem um quê de dramático, até um pouco agressivo, com uma pitada de sexy.
No começo da novela, o estilo de Cibele era mais agressivo, tanto nas roupas e acessórios, quanto corte e modelagem do cabelo. Com o passar da novela, Cibele passou a usar o cabelo liso, bem paty, e as roupas de agora tem um pouco mais de romantismo.


No início da novela tinha um visual mais rebelde

Esse colar de cobra chamou muito a atenção das telespectadoras
Cibele usa peças em estilo vintage
Mesmo em casa, Cibele usa sempre alguma peça com muito estilo
Olha que bacana essa blusa dela  
Aqui, já com os cabelos lisos
O colar de pérolas deu um ar mais " lady " para a moça

Reparem no look cheio de informação de moda da Cibele

Casaquinhos e babados em looks monocromáticos também são usados pela patricinha

Que tal apostar no veludo?

O preto é a cor-chave no guarda-roupa da personagem. Podemos citar aquele vestido preto que ela usou no capítulo em que descobriu a traição de Ruy, seu ex-noivo. Com decote em V, ele deixa uma sensação de sensualidade e sobriedade. Ela também já usou blusas cheias de bordados e transparências, que deixam o visual mais moderno e sensual.
Essas peças-chave que Cibele usa são ideais para quem quer apostar em uma roupa curinga, que combine com várias ocasiões , como é o caso de uma jaqueta de couro , que incrementa o visual contemporâneo da personagem.
Cibele é adepta ao visual " gótico suave ", que usa várias peças pretas , que foi visto nas passarelas e nas ruas , e confere um toque mais sofisticado ao look.
Para deixar o look ainda mais chique, aposte em acessórios como cintos, colares em cores mais claras, para criar um contraste na combinação.


Savage Black 
Basic

Running and crying

A renda está sempre presente nos looks da moça


As jaquetas de couro de Cibele são um must

Coletes e blusas com transparência fazem a festa das fashionistas

Segundo a figurinista da novela " A Força do Querer " , Natália Duran, o estilo de Cibele possui referência nas mulheres inglesas, que misturam peças de brechós com itens de grifes e de lojas de departamentos.
Que tal apostar na moda do século XIX para dar um toque diferente ao look? A personagem aposta na composição com babados e sobreposições, como blusinhas cheias de transparências e detalhes nas mangas.
Cibele investe em texturas e modelagens diferenciadas , quase arquitetônicas . Adora usar e abusar de sobreposições tipo : coletes + camisas + mix de acessórios.


Casaco em tweed e camisa com babados são elegância a toda prova

A blusa que divide opiniões
Combinam?

Mix legal de tecidos
O que seria o vestido de noiva da Cibele
Esse colete folk da Cibele foi muito comentado nas redes sociais

Aqui num look mais "simples ", digamos assim

No preto e no branco

Ela tem facilidade em brincar com peças em diferentes linguagens, criando um mix bem particular. Ela usa roupas de tecidos bem diferentes - o que deixa o visual mais rico.
Se quiser se inspirar no estilo dela, só tome cuidado no ambiente de trabalho, diminua um pouco o tom ( sem por peças e acessórios em excesso ) , e arrisque-se e se divirta um pouco mais no seu tempo livre.
Cibele ama o preto, mas também aposta em combinações p&b  em combinações não tão óbvias, com uma pitada de gótico. Ela também usa roupas em tom pastel, tons de vinho e púrpura, azul escuro e verde escuro etc ...
A moça usa rendas com alfaiataria, casaquetos em tweed , estilo Chanel , com roupas de vibe mais rebelde.
Babados, laçarotes, mangas bufantes, golas vitorianas e estampas retrô também entram como parte do seu estilo.
E jeans + jeans? Cibele já usou também. As calças jeans são opções superconfortáveis para o dia-a-dia e combinada com uma blusa aberta, também em jeans, ganham um ar " sexy " .


Estilo a lá Chanel

Cada qual com seu estilo

Que fofa essa blusa

Cibele adora sobreposição de peças

Brechó no p&b

Gostei do colar

Red

Da roupa também gostei


Bordados rebuscados

Reparem nos colares

Os acessórios são peças mais chamativas das composições de estilo da personagem. Cibele está sempre usando colares, pulseiras, braceletes e chockers, que tem tudo a ver com seu estilo e personalidade. A patricinha aparece usando os mais variados e interessantes acessórios de pescoço.
Já a maquiagem que  Cibele usa segue um padrão de beleza adotado por quase todas as mulheres da trama : o da naturalidade. Não são raros os makes que usam tonalidades clarinhas e nudes. Ela não recorre a tonalidades vibrantes, nem mesmo na cor dos lábios. Ela também usa máscara para cílios " marrom vermelho " para realçar ainda mais o tom dos olhos da atriz.


Acessórios modernos e elegantes

Destaque ao pescoço

Vários colares num mesmo look

Novamente foco no pescoço

Olha a gravata

Então é isso, espero que tenham gostado ! Até o próximo post, no qual também falarei do visual de uma personagem da novela A Força do Querer, no caso , a personagem Irene, a principal vilã da novela.



Referências :

https://www.altoastral.com.br/looks-bruna-linzmeyer/
http://www.purepeople.com.br/midia/cibele-personagem-de-bruna-linzmeyer-em_m1911879
http://blog.etiquetaunica.com.br/o-estilo-das-personagens-de-forca-querer/
http://gshow.globo.com/novelas/a-forca-do-querer/noticia/dicas-de-moda-blusa-de-cibele-e-sucesso-no-capitulo-de-287-de-a-forca-do-querer.ghtml

Fotos :

Purepeople
Gshow ( Globo )

segunda-feira, 31 de julho de 2017

A História de Mata Hari ( The story of Mata Hari )

Margaretha Gertruida Zelle ( nascida em Leeuwarden, 7 de agosto de 1876 - Vincennes, 15 de outobro de 1917 ), conhecida como Mata Hari , foi uma dançarina exótica dos Países Baixos acusada de espionagem que foi condenada à morte por fuzilamento, durante a Primeira Guerra Mundial. Em diferentes ocasiões da sua vida foi alvo da curiosidade de biógrafos, romancistas e cineastas. Ao longo do tempo, Mata Hari transformou-se em uma espécie de símbolo da ousadia feminina. No entanto, a sagacidade dessa personagem endeusada esconde uma vida de abandono e nem tanto de aventura. Vamos conhecer mais sobre ela ?



Em seus 41 anos , Margaretha foi falsa bailarina oriental e espiã fracassada. Colecionou amantes e mentiras e acabou vítima de seu próprio personagem e do espírito de sua época. Julgada em um processo repleto de falhas, a vedete foi ingênua a ponto de ser transformada, contra sua vontade, em perigosa inimiga da segurança nacional. Durante o seu julgamento, o procurador Henri Mornet declarou para um júri já adepto de sua causa : " Vocês têm diante de si talvez a maior espiã do século " . Margaretha já havia se defendido : " uma cortesã, eu admito. Uma espiã, jamais ! " Mas era tarde : a lenda de Mata Hari já estava há muito criada...

Margaretha nasceu na pequena cidade holandesa de Leeuwarden, com apenas 27 mil habitantes. Era filha do chapeleiro Adam Zelle e de Antje van der Meulen. De seu pai, herdara a personalidade pretensiosa e ambiciosa e a facilidade de esbanjar dinheiro. Da mãe, o aspecto tido como exótico para os europeus da época. Dizia-se que era descendente de uma antiga tribo da Ásia que migrara para a Escócia e a IrlandaA infância dos sonhos ruiu com a falência dos negócios da família . A crise provocou a separação dos pais.
Às vésperas de completar 15 anos, em 1891, a mãe morreu , dai começaram os problemas. Seu pai, após casar-se novamente , optou por enviar a jovem e mais três irmãos mais novos para viver com familiares na cidade universitária de Leyden para se tornar professora da escola maternal.
Nessa época , Margaretha foi expulsa do colégio por se envolver sexualmente com um dos diretores da instituição quando tinha 16 anos e, depois do incidente, ela decidiu fugir de casa e morar com um tio que vivia em Haia ( Den Haag ).
Ela tinha 1,70m de altura, ombros largos e seios pequenos - não uma beleza convencional . Ao seu favor, os cabelos negros, o olhar, os lábios sensuais e o aspecto mediterrâneo, incomuns na Holanda.


Mata Hari na juventude

Uma infância bem vivida

Margaretha viveu durante o apogeu da Belle Époque

A jovem sempre gostou de luxos
Então, dois anos depois, a jovem respondeu a um anúncio amoroso em um jornal publicado por um capitão do exército de 39 anos chamado Rudolf McLeod - que trabalhava na Companhia das Índias Orientais Holandesas, atual Indonésia. A moça, então com 19 anos, foi atrás do militar e os dois se casaram.
Em maio de 1897, já com seu primeiro filho, Norman, a família mudou-se para a Indonésia, para onde a empresa o transferira. Em Toempoeng, perto de Bali, nasceu Juana-Luisa, apelidada de Non, abreviação de Nonah ( " menina " no idioma malaio ).
Na Ásia, por diversão, Margaretha começou a vestir trajes malaios e a imitar danças locais para oficiais, o que era malvisto pelas esposas dos funcionários holandeses.
Mas a união de Margaretha e Rudolf não era o que podemos chamar de convencional. Eles brigavam bastante e ele bebia demais e se tornava bem violento . Além disso, ele não escondia o fato de ter uma amante - que era a babá de seus filhos. Margaretha, não aceitando a situação, resolveu arranjar um amante também , aproveitando a oportunidade para aprender mais sobre a cultura oriental local.
Em Medan, uma tragédia. A babá, amante do capitão, tentou matar seus dois filhos, colocando veneno no molho de arroz. Non sobreviveu, mas Norman não. O casamento se degradava a cada dia e em março de 1902, a família voltou para a Europa. O casal se separou em agosto do mesmo ano.


Casamento de Margaretha e Rudolf

Margaretha quis aprender sobre a cultura oriental

A bela jovem sempre teve personalidade forte

Aqui, já usando trajes locais

Rudolf e a filha do casal, Non

Margaretha leonina

Contra a decisão judicial, que deu a guarda de Non à mãe, o capitão Rudolf se recusou a pagar a pensão alimentar e sequestrou Non da mãe. Abalada e sem ter meios financeiros para lutar nos tribunais para recuperar a menina, ela se mudou para Paris em 1903, aos 27 anos, dando início à carreira artística.
No início, as coisas não foram fáceis para ela. Instalada numa modesta pensão familiar, saiu em busca de trabalho como modelo para artistas. Só arrumou serviço pra posar nua, e teve que apelar para a prostituição também. Depois de um tempo, ela arrumou emprego em um circo e não demorou até ela começar a se apresentar como dançarina.
Não conseguiu o dinheiro que achou que obteria e voltou para a Holanda, onde conheceu e tornou-se amante de um ricaço, o barão Henri de Marguerie.
Em 1904, resolveu tentar de novo a vida em Paris. Com apenas 50 centavos na bolsa, Margaretha desembarcou no Grand Hôtel, com vista para a Ópera, e enviou mensagem para o barão, que se encarregou de pagar suas diárias e também novos vestidos.
Com o Orientalismo em moda na Europa, Margaretha decidiu dançar para ganhar a vida. Sua primeira performance de streap-tease, na casa de uma cantora, já foi um sucesso. Fascinados pelo espetáculo, os diretores do Museu Guimet colocaram o cenário do prestigioso local à disposição de Margaretha e insistiram para que ela adotasse um nome artístico, como era comum na época. Ela optou pelo mesmo nome que usava quando dançava para oficiais na Indonésia : Mata Hari, expressão malaia que significa " olho da manhã " e também " luz do dia " .


Margaretha aprendeu a dançar na Indonésia e fez disso um modo de ganhar a vida

Conquistar Paris era a maior ambição de Mata Hari

Mata Hari tentou trabalhar como modelo para artistas

Mas foi na dança que se encontrou

Roupas orientais nos palcos, roupa parisiense fora deles ...

Seu aspecto "exótico" foi um chamariz a mais para os europeus 

Pronto, sua personagem estava criada !

Entre xales e sáris


Streap-tease no final do espetáculo

Sua fama se expandiu pela Europa

Suas apresentações chocavam e provocavam admiração
No palco, Mata Hari dizia ser uma"  princesa hindu da Indonésia ", e os parisienses, que estavam na vibe de curtir tudo o que fosse exótico, logo passaram a fazer fila para assistir às suas performances, nas quais ela fazia o bom e velho streap-tease.
Um famoso jornalista francês descreveu sua dança num artigo como sendo " felina, extremamente feminina e majesticamente trágica ", complementando que " milhares de curvas e movimentos de seu corpo tremiam com milhares de ritmos ". Outro jornalista teria descrito a dançarina como " magra e alta, com a graça flexível de um animal selvagem e cabelos negros azulados ".


A holandesa com traços mediterrâneos

A moça de 1,70 de altura chamava muita atenção por seu perfil exótico

Despia-se dos xales

Brincava com a imaginação masculina

Usava tecidos transparentes e vaporosos

Movimentos graciosos da dança de Mata Hari

Riqueza dos tecidos


Sutiãs metálicos para disfarçar o tamanho dos seios

Dá pra notar a riqueza das cores com a resolução colorida de algumas fotos

Nudez numa época em que a sociedade era conservadora e hipócrita

Sua primeira apresentação no Museu Grumet, em 13 de março de 1905, marca a virada de sua carreira artística. Com quatro bailarinas, Mata Hari dançava em trajes emprestados da coleção do museu : um cinto indiano de pedras preciosas enlaçava seu translúcido sári. Para disfarçar seus seios pequenos, criou um sutiã metálico e adornado de bijuterias, que não tirava jamais. Contorcia-se em cena e despia-se de seus xales  até o momento em que, de costas para a platéia, deixava o sári cair.
Bastante solicitada nos salões da elite parisiense, em pouco tempo Mata Hari passou a dançar para um público composto de príncipes, como Albert I de Mônaco, e membros da aristocracia. Conquistou também o povo ao apresentar-se no Olympia, primeira casa de shows de música do continente. Acumulava amantes ricos ...


Mata Hari era especialista em " dar a volta por cima "
A cortesã Mata Hari

Figurino emprestado do Museu Guimet

Princesa hindu vinda da Indonésia, era como ela definia seu personagem

Pronta para conquistar o público e os barões, militares etc ...

A bela dançarina colecionava amantes em seu currículo

Uma mulher que vivia como queria numa época onde o mundo era dominado por homens

Anúncio de seu show

Mata Hari se beneficiou do fato do Orientalismo estar em alta na Europa



A dança que hipnotiza

No início da carreira ela teve ajuda de amantes ricos

Oriental


Je suis Français

Seus traços orientais foram herdados da mãe

De 1910 a 1911, desapareceu de cena para viver como amante permanente do banqueiro francês Félix Rousseau. Após a clausura, tentou reemplacar como dançarina, mas não teve sucesso. 
Em 1912, a carreira começou a entrar em declínio. Por outro lado, ela se tornou uma importante cortesã no período em que esteve se apresentando pela Europa e manteve relacionamentos com políticos, militares e homens influentes de vários países.
Depois sem dinheiro, partiu para Berlim atrás de um ex-amante, o proprietário de terras Albert Kiepert. No país, em maio de 1914 conseguiu agendar uma temporada de duas semanas no Music Hall Metropol . A deflagração da Primeira Guerra Mundial, porém, abortou o projeto.


Apaixonou-se pela dança oriental

E dançava para os soldados holandeses que serviam na Indonésia

Ik ben Nederlands

Mata Hari, a dama

Se apresentando

Vestia-se como uma lady

She loved Paris

Uma das vedetes mais cobiçadas da Europa

Depois de um tempo fora dos palcos, tentou regressar

Mata Hari gostava de gastar dinheiro com roupas e acessórios


Mata Hari era uma etinerante

Inspirou muitas pessoas a olhar para o Oriente 

Tempos áureos 

Em 28 de julho de 1914, um mês após o assassinato do arqueduque Francisco Ferdinando , o império austro-húngaro invadiu a Sérvia. O conflito generalizou-se rapidamente : de um lado a Tríplice Aliança ( Alemanha, Itália e Áustria-Hungria ), do outro, a Tríplice Entente ( Inglaterra, França e Rússia ).
Mata Hari queria voltar para Paris e, em 6 de agosto, embarcou no trem para a Suiça. Na fronteira, fizeram-na descer para um interrogatório. O trem partiu sem ela, mas com suas bagagens . As autoridades alemãs exigiram um documento oficial atestando sua nacionalidade holandesa e um visto suiço. Acabou voltando para a Holanda.
A Holanda se manteve neutra durante a guerra e, por ser holandesa, Mata Hari não tinha qualquer problema na hora de viajar de um país para outro na Europa. Acontece que suas idas e vindas acabaram chamando atenção - e seu nome entrou numa lista de pessoas suspeitas de espionagem. A movimentação daquela mulher desprendida e solteira começou a levantar suspeitas junto às autoridades francesas e inglesas.
O serviço de contra-espionagem italiano enviara para Paris, com cópia para Londres, uma mensagem dizendo que Mata Hari, então residente em Berlim, estava num navio com destino ao Egito, que faria escala em Nápolis. A confusão ocorreu devido ao hábito de Mata Hari de inventar histórias sobre si mesma. Nove anos antes, fizera um cruzeiro para o Egito e dera uma entrevista ao jornal Le Temps, dizendo que, no momento , era " berlinense ". O jornal afirmava que o alemão falado por Mata Hari tinha quase nenhum sotaque. Foi nessa " prova " amadora e inconsistente que - sem nenhuma linha de espionagem - que os ingleses sustentavam sua desconfiança.
Depois desse episódio, ela passou a ser seguida por pessoas do serviço secreto inglês, que procuravam indícios para culpá-la de espionagem a serviço da Alemanha. Já em Paris, quando chegou em 16 de junho de 1916, foi seguida por policiais franceses, alertados pelos ingleses - até 15 de janeiro de 1917. Nada suspeito foi encontrado. Mata Hari continuou entretendo-se com seus amantes até encontrar o grande e talvez o único amor da sua vida, o oficial russo de 21 anos, Vladimir de Masloff, o Vadim . A paixão deflagrou as circunstâncias que terminaram por levá-la à morte.
Naquele mesmo ano, ferido no olho esquerdo, Vadim foi transferido para tratamento no hospital militar de Vittel, a 300km de Paris. Para visitar o amado , Mata Hari precisava de uma autorização especial de acesso à zona militar. Pediu então ao capitão Georges Ladoux, encarregado da organização da contra-espionagem. O oficial francês, já informado de que Mata Hari era suspeita de ser espiã alemã, disse à suspeita inimiga que daria autorização para ir a Vittel - caso ela trabalhasse como espiã para a França. Ela aceitou e foi clara : " só estava fazendo por dinheiro ... " .


Liberdade

Mata Hari envolveu-se com políticos e política ( de guerra )

Viveu apaixonadamente

A cortesã cobiçada

Traje de uma "senhora respeitável " 

Aqui quando estava mais madura

Picture

Mata Hari e Vadim, seu único e verdadeiro amor

A espiã ...

Mata Hari partiu como uma espiã amadora, sem qualquer missão específica, para a Espanha. Hospedada no Hotel Ritz em Madri e decidida a mostrar serviço, aproximou-se do capitão Hauptmann Kalle, adido militar da embaixada alemã.
Ele não notou o golpe e Mata Hari foi manipulada desde o primeiro encontro. Em conversas informais, Kalle lhe passou informações aparentemente importantes, mas na verdade , falsas ou obsoletas.
Por sua vez, ela forneceu impressões banais do que se passava na França, todas acessíveis em jornais ou ouvidas nas ruas, para convencer seu amante de que seu coração batia pela Alemanha.
Em dezembro, enquanto ela esperava voltar para a França e receber a recompensa do seu trabalho, o capitão Ladoux interceptou mensagens enviadas por Kalle a Berlim. Referindo-se ao agente " H21", relatava as informações superficiais passadas por Mata Hari a ele.
Um detalhe indica que a correspondência entre Madri e a Berlim fazia parte de uma estratégia dos alemães para incriminar Mata Hari como agente dupla junto aos franceses . Em 1914, os ingleses já haviam conseguido decifrar o sistema codificado de mensagens alemãs. Em 1916 os alemães perceberam isso e alteraram o código. O capitão Ladoux percebeu mais tarde e escondeu do procurador e do juri que condenou Mata Hari.
Em 4 de janeiro de 1917, Mata Hari voltou para Paris. O contexto da França era dos piores. A guerra se alastrava e o espírito de derrota imperava. O clima reinante era o de caça às bruxas e do uso de bodes expiatórios. O governo exigia a prisão do maior número de espiões estrangeiros para provar sua eficácia. Não prender Mata Hari significaria ter gasto tempo e dinheiro ao investigar uma meia cortesã aspirante à espiã.
Em 13 de fevereiro, por ordem do Juiz de instrução, Pierre Boucheron, Mata Hari foi presa em Saint Lazare. Os sucessivos interrogatórios não revelaram nenhuma prova conclusiva de crime de espionagem contra a França.
Só no fim de abril que Ladoux revelou sobre as mensagens alemãs interceptadas. Fez isso, porém, sem revelar as verdadeiras intenções alemãs - o que não deixou dúvidas ao capitão Bouchardon de que a prisioneira era culpada. Foi então que Mata Hari decidiu contar o que até então acobertara. Em uma noite de maio de 1916, segundo ela, recebera a inesperada visita em sua residência na Holanda , do cônsul da Alemanha em Amsterdã, Karl Kroemer.
O diplomata ofereceu 20 mil francos por informações confidenciais que ela obtivesse dos franceses. Ela deveria escrever seus relatórios e assinar com o código "H21" . Mata Hari disse que concordara, mas só pelo dinheiro dos alemães - e nunca teria dado informação alguma. O fato explicava porque os alemães teriam usado o sistema de mensagens para " entregar " aos franceses a espiã que embolsou o dinheiro alemão sem ter feito espionagem para o Kaiser. Mas, em seu julgamento, o júri composto por militares desconheceu ou ingnorou falhas e contradições do dossiê de acusação.
Durante o processo, Mata Hari admitiu ter aceito dinheiro de um cônsul alemão, mas negou ter realizado qualquer " serviço " para os homens. Ela explicou que aceitou a quantia em pagamento por uma série de itens seus como casacos de pele e outras peças de roupa - que teriam sido confiscadas em uma de suas viagens.
Mata Hari foi submetida a um julgamento militar em julho de 1917, e acusada de revelar detalhes sobre a nova arma dos aliados - o tanque de guerra - aos alemães. Além disso, os franceses encontraram tinta invisível entre suas posses e acusaram de usar a substância para escrever mensagens aos inimigos . Ela foi considerada culpada de todas as acusações , condenada à morte por fuzilamento e executada em outubro de 1917.
Sobre a tal tinta, Mata Hari alegou que a substância fazia parte das maquiagens que ela usava em suas apresentações.
Na verdade, os historiadores apontam que o julgamento de Mata Hari foi tendencioso e que boa parte das evidências usadas contra ela eram circunstanciais. Também há quem acredite que a sua execução serviu para desviar as atenções das imensas perdas que o exército francês estava sofrendo no fronte oriental.
Portanto, apesar de ser retratada como " uma mulher sedutora, perigosa; uma mulher fatal " que usava o sexo para manipular os homens, tudo indica que , na realidade, ela foi uma vítima. É certo que Mata Hari não era nenhuma puritana e foi uma mulher independente que não teve medo de correr atrás do próprio sucesso. Só que ela fez isso numa época em que esse tipo de comportamento era considerado pouco convencional e desafiador.
Mata Hari foi vítima de um erro judiciário. Ela foi culpada porque era imoral. Uma mulher liberada, um símbolo sexual, uma mulher livre . " Foi condenada não por espionagem, mas por falta de vergonha " disse o acadêmico americano Pat Shipman em Femme Fatale : Love, lies and the Known life of Mata Hari.
Sete mese depois da sua prisão, em 15 de outubro de 1917, Mata Hari foi executada num bosque de Vancennes, por 12 soldados de um regimento francês de artilharia.


Suspeita de espionagem

Começou a ser seguida

Programação das apresentações 

Apesar da Holanda ser neutra na guerra, ser holandesa não a livrou da prisão

Já por volta dos 40 anos 

Precisava rever seu amado que estava ferido num hospital militar

Loved 

Très chic

Elegance

Nessa época já estava sendo investigada

Sobre a execução :

Margaretha Gestruida Zelle McLeod vestiu-se com elegância para sua morte, naquela manhã de 15 de outubro de 1917. Saia longa, corselet de renda, chapéu de feltro, botinas, casaco e luvas até os cotovelos. O terror dos momentos atrás, quando soube que sua pena capital seria executada na penitenciária francesa de Saint-Lazare, transformara-se calma. Frente aos 12 soldados do pelotão do exército que apontavam seus fuzis para ela, ouviu a sentença que  era " condenada à morte por unanimidade por espionagem ".
Ela recusou uma venda nos olhos "  Eu quero olhar os soldados nos olhos. Eu tenho orgulho do meu passado e não fui uma espiã; eu fui Mata Hari ". Enviou um beijo aos carrascos e sorriu para as freiras que a acompanhavam. Às 6:12, a ordem de execução foi dada por um brusco movimento descendente de sabre. Um dos soldados desmaiou. Onze tiros ecoaram, certeiros. O marechal Petey caminhou até o corpo estendido e disparou na têmpora o tiro de misericórdia.


Cartaz alemão mostrando sua execução

Roupa que usou no dia de sua morte



A vida e o mito de Mata Hari foi retratado no cinema, literatura etc ... O filme de 1931, " Mata Hari ", descreve seus últimos dias de vida. Greta Garbo interpretou o papel principal. Existe outra versão do filme Mata Hari de 1985 com a atriz holandesa Sylvia Kristel.
Mata também é mencionada na comédia " Cassino Royale " ( 1967 ), quando é certo que, ela e James Bond , tiveram uma filha, chamada Mata Bond, e que ela foi o grande amor da vida de Bond. Ela foi referência junto de Cleópatra na canção " Like It Or Not ", de Madonna, em seu álbum Confessions On a Dancefloor de 2005.


Mata Hari tornou-se um mito, um símbolo de mulher liberada, numa época que o machismo imperava. Vestia-se no palco como as mulheres do Oriente, em pleno período da Belle Époque, onde as mulheres se vestiam cheias de frufrus. Claro que ela, a medida que ficava mais famosa, se vestia com casacos de pele e vestidos elegantes. Mas o que mais chamou atenção na época foi o seu perfil exótico e a sua liberdade. A dançarina holandesa marcou história...


Entre plumas e paetês

A dama do Oriente

Mata Hari adorava casacos de pele

Jóias e bijuterias adornavam seu figurino

Uma perfeita dama

Mata Hari adorava o glamour que o dinheiro lhe proporcionava

A elegante vedete não dava muita importância pra opinião alheia

Roupas que viraram mostra de museu

Roupas da dançarina que seguiam a linha usada durante o inicio da Belle Époque

Anúncio do filme Mata Hari, estrelado pela atriz Greta Garbo

Espero que tenham gostado. Até o próximo post !!! Tot Ziens ( até mais em holandês ) !!! 


Referências:

Wikipedia
http://www.megacurioso.com.br/personalidades/102091-mata-hari-conheca-a-triste-historia-da-espia-mais-famosa-do-mundo.htm
https://www.terra.com.br/noticias/1917-acusada-de-espionagem-dancarina-mata-hari-e-fuzilada-na-franca,b04f43697e318745166de14fd7074af6vx33hah7.html
http://brasilescola.uol.com.br/biografia/mata-hari.htmhttp://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/personagem/mata-hari-a-espia-que-amava.phtml

Postagens populares